É VERDADE que funcionário responsável por destruição indevida de dados na Prefeitura de Codó em 31/12/2020 continua trabalhando em cargo de confiança

Infelizmente nas cidades do interior no Brasil inteiro, sempre que existe a troca de gestão na prefeitura, o prefeito anterior ordena a destruição de todos os dados sensíveis como forma de dificultar uma investigação que levem a seus supostos crimes e ingerências, e na cidade de Codó não é diferente, a história que rola é que no dia 31/12/2020 alguns funcionários de confiança do então prefeito entraram noite a dentro destruindo dados, tendo acontecido a substituição dos discos rígidos dos computadores da Tesouraria e de parte dos computadores do departamento de contabilidade da prefeitura, além da encriptação e sequestro das senhas do Servidor ASPEC.

Não bastando isso, os relatos dizem que o funcionário responsável por efetuar o procedimento, ao invés de enfrentar um processo administrativo e ser exonerado, além de responder juridicamente, se encontra exercendo cargo comissionado a nível de assessor.

A notícia É VERDADEIRA!

A começar pelo servidor ASPEC, que é responsável por várias funções dentro da Prefeitura, inclusive pelo processo de licitação, a notícia veio a público por meio da SECOM (Secretaria de Comunicações) em vídeo publicado no canal de TV da prefeitura e por meio das redes sociais, e o desastre só não foi maior porque os Analistas de Sistemas do CPD mantinham uma política de Backups que o funcionário em questão não conhecia, e o servidor em pouco tempo voltou ao ar.

Sobre a substituição dos Discos Rígidos: Como não havia um controle de número de série dessas peças em questão, não é possível afirmar que houve a troca dos discos rígidos das máquinas, porém, é verdade que os computadores foram formatados e tiveram seus dados completamente apagados, sendo que todos os computadores que tiveram seus dados apagados continham dados sensíveis e de alto valor para o município, os prejuízos teriam sido inestimáveis não fosse a política de backup.

Sobre o funcionário “suspeito”: Se trata de um funcionário público concursado na área de TI, mas que sempre ocupou cargos comissionados, e dessa vez não é diferente, ao invés de responder pelo que fez, foi recompensado com um cargo de assessoria, ganhando muito bem por sinal, logicamente não podemos aqui revelar a identidade do funcionário nem o quanto ganha porque isso atrapalharia um certo inquérito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo